#politicocnm

Dúvidas na navegação

Notícias

Temer convida Aroldi para tratar de pauta prioritária dos Municípios

Quarta, 13 de junho de 2018.

13062018 reuniao temer aroldiA convite do presidente da República, Michel Temer, o presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Glademir Aroldi, esteve no Palácio do Planalto na manhã desta quarta-feira, 13 de junho, para dialogar acerca da pauta prioritária aos Municípios no Executivo. Na oportunidade, o presidente da CNM lembrou ao chefe do Executivo os principais pleitos municipais tratados na XXI Marcha a Brasília em Defesa dos Munícipios.

Também participaram da reunião o subchefe de Assuntos Federativos da Secretaria de Governo da Presidência da República, Marcelo Fortes Barbieri e o presidente da Associação Paulista de Municípios (APM), Carlos Cruz.

Entre os assuntos destacados pelo presidente da CNM está a medida que atualiza os valores de referência da lei nacional de licitação congelados há 20 anos. Para a CNM, o reajuste representará, principalmente, maior eficiência das compras governamentais. Outro ponto salientado por Aroldi foi a questão do Encontro de Contas da Previdência, uma pauta que há anos vem sendo cobrada pelo movimento municipalista. Ele reforçou a importância da criação do Comitê de Revisão da Dívida Previdenciária Municipal, que viabilizará aos Municípios o conhecimento do valor total de suas dívidas previdenciárias.

“Atualmente, para o Município questionar qualquer débito consolidado contra ele, o gestor tem à disposição apenas recursos inócuos à própria Receita Federal ou ao Judiciário, que reiteradamente tem dado ganho de causa aos Municípios. No entanto, como a União sempre recorre, os processos vêm se arrastando, o que mantém o Ente negativado e impedido de refinanciar”, explica o presidente da CNM.

A CNM entende que a mudança trará justiça e transparência no acerto de contas entre os Entes da Federação, uma vez que a decisão administrativa de pontos controvertidos nos débitos atualmente consolidados evitará a judicialização e, consequentemente, gastos com honorários advocatícios.

Além disso, Aroldi destacou a importância de o governo federal prorrogue o prazo dos normativos que cancelam os saldos dos empenhos inscritos em restos a pagar e das cláusulas suspensivas referentes ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), ao Avançar e ao Sistema de Convênios (Siconv). O prazo final será no próximo dia 30 de junho.

RPPS
O presidente da CNM lembrou ainda da tramitação do Projeto de Lei 8974/2017, que dispõe da regulamentação dos Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS), de forma a garantir sustentabilidade em seu modelo de capitalização, cumprindo as metas atuarias em contexto de baixa remuneração dos títulos públicos. Aroldi destacou que a proposta se faz necessária pois trará justiça e isonomia no tratamento de dívidas previdenciárias, agilizando os processos de compensação previdenciária e corrigindo os valores pelo mesmo critério que a União corrige as dívidas dos Municípios com o RGPS.

Aroldi entregou dois ofícios ao chefe do Executivo com todas as demandas mais urgentes. Neles a CNM ressalta ainda que os Municípios esperam avanço ao tema que foi intensamente debatido na Câmara dos Deputados e está relacionado diretamente à reforma da previdência, tão necessária às contas municipais.

A CNM espera que possam ser implementadas medidas como a expedição de atos normativos do Poder Executivo Federal de grande importância aos Regimes Próprios de Previdência dos Servidores Públicos Municipais, solucionando vários entraves legais e equacionando os regimes próprios.

Espalhe esta notícia:

Voltar