Notícias

Votação de projeto que regulamenta securitização da dívida pública é adiada

Quinta, 06 de dezembro de 2018.

02022016 Congresso CamaraO Plenário da Câmara dos Deputados começou a debater o Projeto de Lei Complementar (PLP) 459/2017, do Senado, que regulamenta a securitização da dívida pública da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Essa securitização é uma espécie de venda com deságio dos direitos de receber uma dívida, tributária ou não. O relator, deputado André Figueiredo (PDT-CE), apresentou seu parecer em Plenário, com nove emendas. No entanto, devido ao pedido de vários líderes que pretendem conhecer melhor as emendas e seus impactos, a votação da proposta foi adiada.

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) avalia que a securitização é uma importante alternativa de aumento da arrecadação aos Municípios sem aumentar impostos. De acordo com o texto, a operação de venda da dívida ao setor privado será considerada operação de venda definitiva de patrimônio público e não uma operação de crédito, como argumentam os contrários à proposta. Essa operação de crédito é proibida pela Lei de Responsabilidade Fiscal - Lei Complementar 101/2000.

O texto proíbe cada ente federado de “vender a dívida” na parcela que cabe a outro ente por força de regras constitucionais de repartição de tributos, como o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos Estados com os Municípios de seu território; e o Imposto de Renda (IR) e o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) da União com Estados e Municípios.

Pontos positivos
Para a CNM, outro enfoque muito positivo da redação é a aplicação compulsória de 50% dos recursos securitizados obtidos nos regimes de previdência. Ou seja, o recurso entra como capitalização dos regimes próprios de previdência, o que é um grande benefício aos Municípios que acabam tendo que reverter boa parte da sua receita para cobrir déficit previdenciário.

Da Agência CNM de Notícias, com informações da Agência Câmara

Espalhe esta notícia:

Voltar